O desafio dos quarenta dias

Alguns números aparecem com frequência na Bíblia, relacionados a situações que lhes conferem grande valor simbólico. É o caso do número 40, quase sempre ligado às tribulações, crises, desafios e dificuldades.

O dilúvio durou 40 dias e 40 noites (Gn.7.4). Depois, Noé e sua família começaram uma “vida nova”. Moisés esteve no monte jejuando durante 40 dias. No final, e não antes, recebeu as tábuas da lei (Ex.24.18; 34.28; Dt.9.9-11,18). Os espias estiveram em Canaã durante 40 dias, correndo o risco de serem mortos. Depois viria a conquista da terra, mas o povo retrocedeu, o que transformou o prazo inicial em uma peregrinação de 40 anos (Nm.13.25; 32.13). O gigante Golias afrontou Israel durante 40 dias, até que Davi se prontificasse a enfrentá-lo (1Sm.17.16). Elias fez uma caminhada de 40 dias até o monte Horebe, onde teve um encontro com Deus (1Rs.19.8). Jonas profetizou que, dentro de 40 dias, Nínive seria destruída. O povo se arrependeu e a sentença foi cancelada (Jn.3.4). Jesus jejuou no deserto durante 40 dias. Depois iniciou seu ministério (Mt.4.2). Jesus esteve na terra durante 40 dias após a sua ressurreição, enquanto os discípulos esperavam o Espírito Santo. Ao final, foi elevado ao céu e assentou-se à direita do Pai (At.1).

O número 40 adquiriu significado especial em nossa cultura sob o título de “quarentena”, indicando, geralmente, um tempo de isolamento para purificação.

A Bíblia destaca ainda alguns períodos de 40 anos (Jz.13.1; At.7.23; 7.30; 7.36) e o castigo das quarenta chicotadas (Dt.25.3; 2Co.11.24). Um dos aspectos predominantes nessas passagens bíblicas é o que se refere à espera por algum fato, pela conclusão de uma tarefa ou simplesmente pelo fim de uma situação difícil.

Vivemos no tempo do imediatismo. O fast food e as mensagens instantâneas fazem parte da nossa rotina. Se uma espera de 40 minutos pode parecer uma eternidade, o que dizer de 40 dias? É o teste da perseverança. Os referidos episódios bíblicos mostram o tempo de Deus para a execução de alguns propósitos. Curiosamente, o salmo de número 40 diz: “Esperei confiantemente no Senhor e ele se inclinou para mim e ouviu o meu clamor”.

Precisamos aprender a esperar. A precipitação não é boa, pois um dos significados dessa palavra é “queda”. Muitas vezes, o prazo indica o tempo necessário à realização do que se pretende. A antecipação pode ser problemática. Seria como colher o fruto ainda verde.

Enquanto esperamos, um processo está acontecendo, ainda que não possamos ver ou perceber, principalmente nos períodos de jejum e oração. Pense no que acontecia no mundo durante o dilúvio, ou no coração daqueles que jejuavam, enfrentavam o deserto ou esperavam o cumprimento de uma promessa. A demora pode ter bons efeitos. Nos ensina a paciência e nos faz valorizar o que, com desejo, aguardamos. O que vem fácil e rápido é desvalorizado e, muitas vezes, descartado. A espera é o teste da esperança. O problema é que, aos poucos, a expectativa pode transformar-se em frustração. Os questionamentos começam a brotar e a confiança é colocada à prova. Então, o comportamento exterior seguirá a atitude interior.

O tempo de Moisés no monte é um exemplo interessante. Depois de muitos dias, o povo pensou que ele não voltaria mais. Então, pediram que Aarão fizesse o bezerro de ouro, diante do qual realizaram um grande culto pagão (Ex.32). Todo prazo que Deus estabelece tem um propósito. O simbolismo dos números bíblicos aponta para uma lição e não para uma previsão quantitativa exata. Nossas tribulações e jejuns podem ter durações diversas, mas sejamos fiéis enquanto esperamos.

Os períodos de jejum na Bíblia são exemplos de intensa dedicação ao Senhor. Eles podem ser ordenados por Deus, mas está em nossas mãos determinar períodos de dedicação mais intensa ao Senhor, saindo da zona de conforto e do andamento “normal” das nossas vidas. Se você não enfrentar, não chega ao outro lado. Se chegar, não será mais o mesmo. Sendo de espera ou atividade, os 40 dias sempre envolvem disciplina e esforço.

Não nos referimos a uma fórmula mágica nem a uma garantia de aquisição espiritual mediante o esforço humano, mas apenas a exposição de exemplos bíblicos inspiradores. Tudo que recebemos é pela graça, mas, ainda assim, Jesus disse: Pedi, buscai e batei, porque o que pede recebe, o que busca encontra e, ao que bate, abrir-se-lhe-á (Mt.7).

 

Anísio Renato De Andrade

Disponível em http://www.ultimato.com.br/comunidade-conteudo/o-desafio-dos-quarenta-dias

 

Salvação: O que é e para que serve?

“Ele [Deus] nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a redenção, a remissão dos pecados” (Cl 1.13-14).

A salvação é a maior de todas as bênçãos espirituais que o ser humano pode receber de Deus. Apesar disso, muitas pessoas não sabem o que ela é.

Salvação não é a mesma coisa que filiação a uma denominação religiosa. Este é um pensamento popular muito comum. Muitas pessoas pensam que ser salvo significa pertencer a uma igreja. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. É perfeitamente possível que uma pessoa seja membro de uma denominação religiosa por muitos anos e não tenha um relacionamento com Jesus baseado na graça.

Salvação também não é a mesma coisa que prosperidade material. As denominações adeptas da chamada “teologia da prosperidade” falam tanto sobre a prosperidade financeira que se esquecem de anunciar o perdão de pecados e da salvação em Cristo. Assim acabam transmitindo a falsa noção de que Jesus morreu na cruz para nos dar boa saúde, um bom carro, uma boa casa e para salvar nosso negócio. A mensagem da cruz fica totalmente perdida em meio às questões materiais. Jesus não morreu para nos dar bênçãos materiais e sim para nos trazer a salvação. É certo que Deus nos abençoa financeira e materialmente, dando-nos o suficiente para nossa peregrinação neste mundo, mas o cerne das boas-novas é a salvação eterna.

Salvação não é a mesma coisa que participação em eventos religiosos. Muitas pessoas pensam que o fato de fazerem peregrinações e romarias é sinônimo de salvação.

Salvação é um relacionamento piedoso com Deus baseado na graça mediante a fé e não em um ativismo religioso. Salvação é a mudança do estado de condenação em que o pecador se encontra, por causa do pecado, para o estado de bem-aventurança, para o qual é conduzido pela graça de Deus.

O apóstolo Pedro menciona esta mudança de estado ao dizer que “vós sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz” (1Pe 2.9). Nós éramos trevas, porém, agora, somos luz no Senhor (Ef 5.8).

Por que o ser humano precisa de salvação?

A resposta é simples: precisamos desesperadamente de salvação porque esta é a única maneira de termos nossa comunhão com Deus restaurada e, também, de escaparmos da condenação do inferno.

A Escritura afirma com muita clareza que todos os seres humanos são pecadores (Rm 3.23; 5.12). Portanto, todos nós somos igual-mente merecedores da retribuição correspon-dente ao pecado. De acordo com a Escritura, esta justa retribuição é a morte (Rm 6.23) no seu sentido mais profundo e abrangente: morte física, morte espiritual e morte eterna. Isso implica no total rompimento de nossa comunhão com Deus.

Como a salvação acontece?

A salvação é um dom de Deus, algo que ele dá de graça. Não podemos merecê-la com nossas obras nem pagar por ela com nossos recursos financeiros. Tudo o que precisamos fazer é aceitá-la pela fé, que também é dada por Deus. “Pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie” (Ef 2.8-9). Esta salvação é a única solução para o problema do pecado e o único recurso dado por Deus para que o homem não seja condenado ao inferno, mas desfrute da eterna e gloriosa comunhão com seu Senhor. Tenha comunhão com o seu Senhor e Salvador.

 

Partes do Estudo publicado site Revista Ultimato.

Disponível em http://ultimato.com.br/sites/estudos-biblicos/assunto/evangelizacao/salvacao-o-que-e-e-para-que-serve/

 

A oração simples

Não existe oração errada. Aliás, a oração errada é aquela que não é feita.

A Bíblia Sagrada ensina que se deve orar a respeito de tudo. Orar por qualquer motivo, qualquer hora, qualquer lugar, sempre que o coração não estiver em paz. Tão logo o coração experimente apreensão, preocupação, medo, angústia, enfim, seja perturbado por alguma coisa, a ação imediata de quem confia em Deus é a oração.

O apóstolo Paulo diz que não precisamos andar ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, com ação de graças, devemos apresentar nossos pedidos a Deus, tendo nas mãos a promessa de que a paz de Deus que excede todo o entendimento, guardará nossos sentimentos e pensamentos em Cristo Jesus (Filipenses 4.6,7). A expressão “coisa alguma’ inclui desde uma vaga no estacionamento do shopping center quanto o fechamento de um negócio, o desejo de que não chova no dia da festa quanto a enfermidade de uma pessoa querida. Esta experiência de oração é chamada de oração simples: orar sem censura filosófica ou teológica, orar sem se perguntar “é legítimo pedir isso a Deus?” ou “será que Deus se envolve nesse tipo de coisa?”. Simplesmente orar.

A garantia que temos quando oramos assim é a paz de Deus em nossos corações e mentes. A Bíblia não garante que Deus atenderá nossos pedidos exatamente como foram feitos: pode ser que a vaga no estacionamento não seja encontrada e que chova no dia da festa. A oração não se presta a fazer Deus trabalhar para nós, atendendo nossos caprichos e provendo o nosso conforto. Já que a causa da oração simples é a ansiedade, a resposta de Deus é a paz. O resultado da oração não é necessariamente a mudança da realidade a respeito da qual se ora, mas a mudança da pessoa que ora. A mudança da situação a respeito da qual se ora é uma possibilidade, a mudança do coração e da mente da pessoa que ora é uma realidade. Deus não prometeu dizer sim a todos os nossos pedidos, mas nos garantiu dar paz e nos conduzir à serenidade. Não prometeu nos livrar do vale da sombra da morte, mas nos garantiu que estaria lá conosco e nos conduziria em segurança através dele.

O maior fruto da oração não é o atendimento do pedido ou da súplica, mas a maturidade crescente da pessoa que ora. Na verdade, a estatura espiritual de uma pessoa pode ser medida pelo conteúdo de suas orações. Assim como sabemos se nossos filhos estão crescendo observando o que nos pedem e o que esperam de nós, podemos avaliar nosso próprio crescimento espiritual através de nossos pedidos e súplicas a Deus. As orações revelam o que realmente ocupa nossos corações, o que realmente é objeto dos nossos desejos, o que nos amedronta, nos desestabiliza e nos rouba a paz.

O apóstolo Paulo diz que quando era menino, falava como menino, pensava como menino e raciocinava como menino. Mas quando se tornou homem, deixou para trás as coisas de menino (1 Coríntios 13.11). Não existe oração certa e errada. A diferença está no coração.

Ed René Kivitz

Artigo na íntegra disponível em http://www.ultimato.com.br/conteudo/a-oracao-simples#artigos

Cientistas criam vida artificial em laboratório

Pesquisadores do Instituto J. Craig Venter, dos Estados Unidos, anunciaram nesta quinta-feira a criação de um organismo vivo com genoma totalmente sintético, desenvolvido artificialmente a partir de compostos químicos. A equipe conseguiu sintetizar toda a estrutura de DNA da bactéria unicelular Mycoplasma mucoides, gerando um novo organismo capaz de se autorreproduzir. Os resultados do experimento foram publicados na revista Science e abriram espaço para uma grande discussão sobre a ética do procedimento. “Esperamos revisões e o diálogo sobre as importantes aplicações deste trabalho para garantir que será usado para o benefício de todos”, afirmou.

Para criar vida em laboratório, os pesquisadores se basearam no sequenciamento do genoma da bactéria e redesenharam, em computador, a estrutura do DNA da espécie. Sem utilizar qualquer pedaço de DNA natural, eles sintetizaram quimicamente o genoma completo e o transportaram para uma célula de uma levedura (espécie unicelular de fungo), onde desenvolveu-se um cromossomo artificial.

Vários cientistas receberam o anúncio da criação de vida em laboratório com desconfiança.

“Este é um momento da caixa de Pandora – como a divisão do átomo ou a clonagem da ovelha Dolly, todos teremos de lidar com as consequências dessa experiência alarmante”, disse o presidente do Action Group on Erosion, Technology and Concentration (ETC Group), Pat Mooney, ao jornal britânico Daily Mail.

“Ele não está simplesmente copiando vida artificialmente ou modificando vida com engenharia genética. Ele está caminhando para a função de Deus: criar vida artificial que jamais poderia existir”, disse Julian Savulescu, professor de ética da Univeridade de Oxford. “Isso pode ser usado no futuro para criar armas biológicas poderosas”.

O editor de ciência do Daily Mail, Michael Hanlon, também questionou o trabalho em um artigo opinativo publicado no site do periódico. Hanlon classificou Venter como um “showman” e “mestre em autopromoção” e disse que o feito abre um leque de questionamentos que vão desde “para que isso será útil?” até “teremos que redefinir o que é a vida?”.

“A bacteria dele [Craig Venter] parece ser frágil e débil; estamos a um longo caminho de superpragas sintéticas, e ainda mais distantes de um animal ou uma planta artificial. Mas é difícil fugir da sensação de que uma fronteira foi cruzada. O problema é que está longe de se saber aonde vamos a partir de agora”, escreveu.

 

http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/cientistas-criam-vida-artificial-laboratorio-561878

“No princípio Deus criou os céus e a terra” (Gn 1:1). “Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas” (Rm 1:20). “Pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra” (Cl 1:16). “Então disse Deus: “Façamos o homem à nossa imagem, con-for-me a nossa semelhança. Domine ele sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, sobre os grandes animais de toda a terra e sobre todos os pequenos animais -que se movem rente ao chão” (Gn 1:26).

Tudo que existe foi criado por Deus. Deus dá vida e quer nos abençoar. Toda a criação é obra de Deus para seu louvor. Ele criou tudo para ser bom. Mas, por causa do pecado, a criação ficou manchada existindo assim dor, tristeza, sofrimento e morte. Contudo, tudo procede da vontade de Deus. Deus é soberano e só Ele é Deus! Que a igreja do Senhor jamais se esqueça que foi Ele quem criou todas as coisas e que possamos levar sempre Suas Boas Novas a todos. Que Deus nos abençoe e nos guarde do mal.

O evangelho Polishop

Para aqueles que tem um pouco mais de idade, trago à lembrança um clássico da propaganda que foi exibido na TV Brasileira na década de 90. O extinto Grupo Imagem Teleshop atual, Polishop. A missão da Polishop é inventar parafernálias e bugigangas para facilitar o dia a dia da humanidade e trazer cada vez mais conforto. O comercial começa, então surge aquele mega-ultra-super-blaster-novíssimo Juicer Kitchen Revolution (que nada mais é do que um espremedor de frutas) de que nem precisamos e ficamos encantados com aqueles nomes importados e longos. Depois de um bom tempo de propaganda, tirando a parte que não dizem que ele será totalmente inútil e que dá trabalho para limpar aquele monte de peças, mas eles conseguem convencer que você realmente necessita daquilo. E aí vem a pior parte: o anunciante diz o preço “x reais”, mas informa que as primeiras 20 pessoas que ligarem receberão um desconto de 50% e ainda levarão de brinde o ultra-power kit surpresa.

Quando olhamos para muitas pregações, hinos e movimentos que ocorrem hoje em muitas igrejas, nos perguntamos se a filosofia Polishop de facilidades não está tomando conta da cristandade? E que tudo que está sendo feito não é somente com a mesma finalidade de proporcionar um atalho para a vida eterna? A tendência que está entrando na moda de nossas igrejas e destes ditos ministros “Polishop”, é o de trazer um evangelho somente com facilidades e conforto, mostrando somente um prazer momentâneo aqui nesta terra, oferecendo suas bugigangas em suas campanhas com nomes cada vez mais mirabolantes. Prometendo que a um pequeno custo você poderá levar uma das ultimas novidades para facilitar seu relacionamento com Deus.

Tais práticas são artifícios tirando dos púlpitos o verdadeiro evangelho que vemos na Bíblia sagrada.

Quando olhamos para o evangelho pregado por Paulo, Pedro e do próprio Jesus, vemos que a única mensagem que sempre se repetia era o arrependimento. Arrependimento de quê? De nossos erros e pecados! Entenda que Deus não é Polishop para que te envie uma benção imediata se você orar nos próximos 5 minutos e lhe enviar um brinde especial se você for o primeiro a ofertar.

O evangelho de Jesus é renúncia, é negar-se a si mesmo e negar muitas vezes o nosso conforto para fazer a vontade de Deus.

Irmãos não procurem atalhos para Deus. O mercado gospel está transbordando de fórmulas fáceis e infalíveis para uma vida bem-sucedida que não requer compromisso. Mas, o caminho para a vida eterna e para Deus é estreito e requer dedicação total.

Wesley Ramalho – Artigo na integra disponível em

http://www.ultimato.com.br/comunidade-conteudo/o-evangelho-polishop#polishop

Que possamos buscar a Deus em espirito e em verdade. E que Deus nos mostre o caminho para a misericórdia, para a compaixão, para o perdão e justiça. “Jesus lhes respondeu: Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes. Eu não vim chamar justos, mas pecadores ao arrependimento” (Lucas 5:31-32). Pois “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 João 1:9).

Me afastei de Deus!

Eu sou missionário integral a quase 10 anos e estou numa fase de rever a vida religiosa que estou levando, sendo missionário, indo pra igreja, atuando como crente, ajudando pessoas, pregando o evangelho, etc..

Eu estou sendo levado pelo Espirito Santo de Deus a reconsiderar minha caminhada e em como eu me distanciei de coisas que eram rotineiras no inicio da minha vida cristã, como orar em todo tempo, jejuar todo mês, ler a bíblia todo dia, oferta e dizimar, ir as reuniões de oração, ter cultos domésticos, ir em vigílias e coisas dessa natureza.

Coisas básicas que aprendi quando comecei a dar meus passos na igreja e que hoje me distanciei disso tudo, por ter adquirido algum conhecimento sobre teologia, sobre cosmovisão, sobre doutrina, sobre lei sobre graça, sobre predestinação, sobre pecadinho, pecadão, sobre, e sobre…

Tenho sentido que estou muito longe de Deus e isso é bem contraditório, pois eu estou vivendo em missões integral para poder fazer e viver a vontade dEle. Irônico não?

Essa é uma situação embarassante para mim, pois sei que o meu chamado/trabalho é viver a vida na integralidade do evangelho, vivendo e fazendo a vontade de meu Pai, mas acredito que estou em um momento onde apenas estou FAZENDO a vontade dEle e não VIVENDO a vontade dEle. Sinto como se estivesse no piloto automático só fazendo o que precisar ser feito, como os americanos dizem: “Need to be done”.

E isso que estou descrevendo acima, não quer dizer que parei literalmente de fazer coisas religiosas que muitos fazem. Por exemplo: de segunda a sexta-feira aqui na Jocum Chico, EUA, onde sou missionário integral, temos reunião de oração, temos reunião de intercessão pelas nações, culto de adoração e louvor, vou a igreja todo domingo, vou ao estudo bíblico todas as quartas e evangelizo todas sextas, mas isso tudo não significa que estou VIVENDO a vontade de Deus e sim que eu estou FAZENDO algo, como poderia estar comendo, dormindo, dirigindo, caminhando, correndo, trabalhando, mentindo, fingindo… apenas fazendo…

Eu li em um livro de Bonhoffer, onde ele conta a experiencia de Lutero, que deu um enorme passo quando largou a vida secular para virar padre e se enclausurar em um convento, mas que ele deu um Passo maior ainda quando decidiu sair do convento e viver entre o mundo secular como um padre pois se achou perdido dentro do convento e das obrigações religiosas. Sinto que tenho que sair do meu “convento” missionário que me enclausurei a 10 anos e voltar a viver como um simples novo convertido em uma sociedade pecadora, pois acredito que ficarei mais próximo de Deus novamente.

Difícil admitir isso, mas me afastei de Deus, mas vou fazer o caminho de volta com a ajuda de Jesus.

Joberson Lopes Chico, California-EUA –

Disponível  em: http://www.ultimato.com.br/comunidade-conteudo/me-afastei-de-deus#de+volta

 

Deus não nos abandona nem se esquece de nós! Somos nós que, muitas vezes, por algum motivo, nos afastamos de Deus. Mas Ele esta sempre esperando e nunca desiste de nós! Que nossas vidas seja um testemunho e tudo que fizermos seja para Sua adoração e louvor!!! Que Deus o bençõe, o guarde e que Ele fale a seu coração.

 

O Segredo do crescimento espiritual

“Permaneçam em mim, e eu permanecerei em vocês. Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Vocês também não podem dar fruto, se não permanecerem em mim” (João 15:4).

Imagine se eu plantasse uma árvore no meu jardim em frente a minha casa, mas depois de um tempo eu decidisse que ela ficaria melhor na parte dos fundos. Passam-se alguns meses e eu voltaria a plantar a árvore na parte da frente da casa. Esta árvore não somente teria dificuldades para crescer como lutaria para sobreviver.

Algumas pessoas são assim com Deus. Decidem ir a igreja, ler a Bíblia e orar regularmente. Fazem isso por um mês e depois se retiram e desaparecem por alguns meses. Então voltam. Depois de um tempo, mais uma vez retiram-se para a vida que levavam anteriormente. Eventualmente elas voltam. Mas, procedendo assim, essas pessoas nunca irão crescer espiritualmente.

Jesus falou “Permaneçam em mim, e eu permanecerei em vocês. Nenhum ramo pode dar fruto por si mesmo, se não permanecer na videira. Vocês também não podem dar fruto, se não permanecerem em mim” (João 15:4). Este é o segredo do crescimento espiritual: permanecer. E permanecer significa ficar num mesmo lugar. Para os que creem, significa manter uma relação inabalável com Deus. Significa regularidade, consistência. E resulta na produção de frutos que permanecem.

Outra maneira de permanecer é andar com Deus. 1 João 2:6 diz “aquele que afirma que permanece nele, deve andar como ele andou.” Andar significa estar em constante movimento, e isto significa ter tempo para a Palavra de Deus e para oração diária. Se você está muito ocupado, acorde mais cedo. Vá para a cama mais cedo. Você encontrará tempo para o que é importante. A verdadeira marca da conversão é o teste do tempo e dos frutos em nossas vidas. Você tem produzido frutos espirituais?

Pastor Greg Laurie,

Disponível em http://www.devocionaisdiarios.com/2016/06/osegredo-
do-crescimento-espiritual.html

Desacordo, conflito e unidade

A preparação para o Referendo sobre se o Reino Unido deve ou não continuar sendo membro da UE revelou uma desagradável retórica em ambos os lados da campanha. O processo de eleição presidencial nos Estados Unidos revelou divisões que se assemelham a alguns ‘reality shows’ da televisão.

Somos capazes de encontrar formas de discutir, debater e fazer as nossas ponderações na vida pública(na praça pública) através de uma persuasão fundamentada, livre de coerção, medo, força, intimidação e manipulação?

Somos capazes de tomar decisões fundamentadas no acesso à informação, na verdade e investigação imparcial?

“Minha oração não é apenas por eles. Rogo também por aqueles que crerão em mim, por meio da mensagem deles, para que todos sejam um, Pai, como tu estás em mim e eu em ti” (João 17.20-23).

A oração de Jesus é um chamado profético para refletirmos a harmonia que vemos na Trindade. Uma unidade que demonstra amor e shalom. Fomos criados para permanecer em um relacionamento harmonioso com Deus, uns com os outros e com a Criação.

É interessante notarmos que Deus ordena a Adão e Eva em Gênesis 1.28 para “subjugarem” a terra antes da Queda em Gênesis 3. Subjugar pode significar superar, assumir ordem e controle ou terminar uma rebelião. Por que dizer isso antes da Queda? Será que a rebelião de Satanás, dos Principados e das Potestades já estava tentando roubar, matar, dividir e destruir (João 10.10) e, portanto, Deus os alertava para vigiar?

Evitando conflitos

Eva começou desafiando a serpente, mas foi influenciada pela discussão. Por que Adão não discutiu com a serpente ou com Eva sobre a decisão de comer o fruto proibido? Afinal de contas, a ordenança de não comer o fruto lhe foi dada diretamente por Deus. Será que ele evitou o conflito e o diálogo? Não há dúvida de que quando Deus os procurou, eles jogaram o ‘jogo da culpa’: culpando ao outro.

Conflitos e divergências não são intrinsecamente errados. Realmente precisamos ter um diálogo aprofundado para que a verdade seja conhecida por todos.

Em Efésios 4.25-26, somos chamados para falar a verdade e não evitarmos os conflitos, pois isso dá a Satanás uma base de apoio, permitindo a amargura e o aparecimento de atitudes e ações desagradáveis e perniciosas.

Shalom significa enfrentar o conflito com franqueza, integridade e amor. Significa descobrir a verdade. Significa que precisamos lidar com os conflitos de forma conjunta, ao invés de permitir que Satanás ganhe uma base de apoio, lembrando que a nossa verdadeira batalha não é uns com os outros, mas com os Principados e as Potestades (Ef 6.10-17).

A forma na qual lidamos com os conflitos revela as Boas Novas de Jesus.

Para levarmos isto para a vida pública, precisamos estar seguros sobre a nossa identidade diante de Deus.

Orem no Espírito em todas as ocasiões, com toda oração e súplica; tendo isso em mente, estejam atentos e perseverem na oração por todos os santos. (Ef 6.18).

Ore pela união dos crentes.

 

Rede Miquéias (Micah Network) é uma comunidade global de cristãos reunidos por causa de paixão e compromisso comuns com a Missão Integral. A Rede foi fundada em setembro de 1999 por René Padilla Disponivel na integra em http://www.ultimato.com.br/conteudo/desacordo-conflito-e-unidade

Espiritualidade DETOX

A expressão detox está na moda. Detox vem do inglês, que literalmente significa desintoxicação. As receitas e as dietas são muitas. Há capsulas detox, há dietas que combinam alimentos que dizem limpar o organismo das toxinas, sucos que fazem uma “faxina”. Detox virou uma marca das pessoas que almejam o padrão fitness, e para muitas pessoas, virou um “estilo de vida” mais saudável e regrada.

Assim como as dietas e sucos detox prometem eliminar as toxinas do corpo e promover emagrecimento, a espiritualidade detox tem a proposta de eliminar as toxinas da religiosidade.

Jesus, nosso maior modelo, ensinou seus discípulos a viverem uma espiritualidade sadia e equilibrada. Ele sempre se posicionou contra a espiritualidade farisaica de sua época que valorizava os estereótipos, os rótulos religiosos, os rituais vazios de devoção, um desempenho exibicionista.

A espiritualidade ensinada por Jesus é uma vida centrada no evangelho, busca da vontade de Deus e nos leva a priorizar o Reino de Deus e Sua justiça. Essa espiritualidade elimina as nossas ansiedades e nos leva a reflexão e constatação de que Deus é quem cuida de nós; e assim, por isso, não precisamos viver ansiosos, mas sim, descansar na provisão Divina. Nos leva a eliminar nossas preocupações diárias, sabendo que Deus é nosso Pai e que concede tudo que precisamos. Essa espiritualidade não nos leva para os altares, para o centro dos holofotes evangélicos, mas nos leva para o quarto. É no quarto que de fato desintoxicamos e nos tornamos discípulos de Jesus. No quarto a sós com Deus não há muitas palavras, há quietude. Não há pedidos, há momentos intensos de contemplação e adoração. No quarto Deus olha para nosso interior e nos leva a repensarmos nossas motivações, nossos preconceitos e nossas dificuldades. No quarto oramos sinceramente, sem usar expressões que demonstram nosso saber teológico. No quarto oramos como crianças conversando com o Pai. No quarto falamos e estamos diante de Deus em secreto e Ele nos vê em secreto, e em secreto trabalha em nós, a fim de sairmos do quarto quebrantados e contritos a sermos como Jesus Cristo, o filho amado. No quarto não nos exibimos, oramos. No quarto lemos as Escrituras como uma criança come sem etiquetas. Jesus nos leva para o quarto para a desintoxicação, para esmagar nosso egoísmo, para limparmos nosso coração e mente dos valores seculares,  para realinharmos nossas vidas ao centro da vontade de Deus, para assim sermos sal e luz desse mundo.

Elimine as toxinas da espiritualidade e viva um estilo de vida proposoa por Jesus, pautada na Palavra de Deus. Entregue-se a Ele e deixe que Ele governe e seja o centro de sua vida.

 

Jeferson Rodolfo Cristianini  – Artigo na íntegra disponível em  http://ultimato.com.br/sites/jovem/2016/06/27/espiritualidade-detox/

O sentido da vida de Paulo

Quase todos, em algum dia, buscam respostas espirituais e existenciais para sua caminhada neste planeta. A rotina pela subsistência e até mesmo nossas realizações profissionais e familiares parecem não preencher nossas expectativas de vida.

Aconteceu assim com o apóstolo Paulo. Ele era um homem preparado intelectualmente, destacado em sua sociedade e dedicado defensor da fé judaica, porém, faltava a ele um encontro com Deus, conhecer a vontade do Senhor para sua própria vida.

No depoimento ao rei Agripa, no capítulo 26 do livro de Atos dos Apóstolos, Paulo relata que o Senhor Jesus, quando se revelou a ele na Estrada de Damasco, tinha alguns propósitos:

1. Torná-lo testemunha de Cristo

“Para isto te apareci para te constituir ministro e testemunha” (Atos 26.16). Deus nos chama para ministrarmos, para anunciarmos as verdades de Jesus. Somos testemunhas do plano de Deus e da salvação maravilhosa para todas as pessoas.

2. Dar a Paulo a segurança de que cuidaria de sua vida

“Livrando-te do povo para os quais Eu te envio (Atos 26.17). Podemos, sim, esperar livramento, segurança, proteção divina nas situações difíceis. Quando suplicamos a intervenção de Deus, devemos esperar a resposta dele! Afinal, o nosso socorro vem do Senhor.

3. Dar a Paulo uma missão

Quando o Senhor nos convoca, ganhamos uma missão, um alvo de vida. E isso é para todos os cristãos, sem exceção. “Para lhes abrires os olhos, e das trevas os converteres à luz, e do poder de Satanás a Deus (Atos 26.18a). Há muita gente sem direção na vida. Gente cega que não percebe a verdade e está apegada a superstições, mitos, lendas e mentiras. O Inimigo tem fechado os olhos de pessoas assim para que elas não creiam na verdade. Nosso chamado é levar a elas a mensagem libertadora de Cristo, que nos tirou das potestades de Satanás e nos levou até Deus.

4. Fazer do apóstolo um abençoador

Antes Paulo era um perseguidor implacável dos seguidores de Jesus, mas no caminho de Damasco, Deus o convocou para a missão de abençoar a muitos. Este também é o nosso chamado hoje: para que recebemos também perdão e herança (Atos 26.18b).

Um homem perdoado se livra de traumas e decepções do passado, começa uma nova vida, recebe uma herança eterna, uma herança que começa hoje!

Este chamado não foi somente para o apóstolo Paulo. É para todos os que também se encontraram com Cristo em seus caminhos. Veja que linda missão recebemos ao aceitarmos a fé em Jesus!

Você, meu irmão ou minha irmã, não pode perder tempo. Sua conversão tem um grande propósito. O Reino de Deus está convocando você.

 

Pr. Paulo e Pra. Claudete Brito

Paulo Brito é médico, músico e pastor presidente da Igreja Missionária Maranata. Artigo disponível em http://www.ultimato.com.br/conteudo/o-sentido-da-vida-de-paulo